sábado , 20 julho 2019
Início / Ênio Fly - 9h00 às 13h00 / ‘Despacito’ desbanca ‘See You Again’ e vira vídeo mais visto do YouTube

‘Despacito’ desbanca ‘See You Again’ e vira vídeo mais visto do YouTube

clipe de “Despacito”, de Luis Fonsi e Daddy Yankee, se tornou nesta sexta-feira (4) o vídeo mais visto do YouTube. O megahit latino desbancou “See You Again”, que havia tirado do topo “Gangnam Style”, que reinava absoluto desde 2012.

O clipe de “Despacito” ultrapassou a trilha sonora do filme “Velozes e Furiosos 7” em número de plataforma de vídeos do Google.

“Despacito” chegou a 2.994.973.697 visualizações, enquanto “See You Again” tinha 2.993.938.165 visualizações.

Durou pouco

O reinado da música cantada por Wiz Khalifa e Charlie Puth não durou nem um mês, já que ela só se tornou o vídeo mais popular do YouTube em 10 de julho deste ano.

A canção da sétima parte da franquia de carros é uma homenagem ao ator Paul Walker, morto no fim de 2013. Com cenas do filme e dos cantores, o vídeo foi o mais visto de 2015.

Gangnam Style

A música ultrapassou o vídeo de “Gangnam Style”, do rapper sul-coreano Psy, que foi responsável por estabelecer algumas marcas no YouTube:

Este último feito obrigou o Google a mudar o YouTube. A plataforma teve que ampliar a forma de exibir o número de reproduções de um vídeo por causa da enorme audiência do clipe da música. O site permitia exibir até 2.147.483.647 visualizações.

G1 Música

Confira também

Gusttavo Lima torna-se o artista mais ouvido do Brasil

Nos dias atuais, com tantos bons artistas e canções lançadas a cada semana é difícil …

Jogo de vovó zumbi para Android rouba login e senha do Gmail ou Facebook

Scary Granny ZOMBY Mod: The Horror Game 2019. Este jogo para celulares Android, com mais …

Criadores decidiram encerrar aplicativo que ‘remove’ roupas em fotos de mulheres

Um aplicativo que anunciava ser capaz de remover digitalmente roupas em fotos de mulheres para …

Play Store abrigava mais de 49 mil apps falsos, aponta pesquisa

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Sydney, Austrália, e do Data61 analisou por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *